URGENTE: OMS declara pandemia

Imagem
A Organização Mundial da Saúde (OMS) declara uma pandemia do coronavirus, num reconhecimento de que a mera estratégia de conter a proliferação da doença já não seria suficiente. A classificação significa que uma transmissão recorrente está ocorrendo em diferentes partes do mundo e de forma simultânea.
Na prática, ao anunciar a pandemia, a agência de Saúde indica que governos devem trabalhar não mais para apenas conter um caso. Mas atuar para atender uma parcela da população mais ampla e vulnerável. Estratégias direcionadas apenas para identificar casos e isolar pessoas precisam ser trocadas para um plano sanitário que possa focar em evitar mortes.

A mudança no status não significa que a taxa de letalidade tenha sido incrementada. Mas que o risco de um contágio seria maior. Em apenas uma semana, o número de países afetados passou de 45 para mais de 110.

(Da coluna de Jamil Chade no UOL)

Pessoas são mortas pisoteadas em culto evangélico

Uma verdadeira tragédia aconteceu em um evento evangélico realizado por um pregador muito popular Norte da Tanzânia. Fontes oficias do país confirmaram nesse domingo (2), que pelo menos 20 pessoas morreram, e outras 16 ficaram feridas.

O terrível incidente aconteceu na cidade de Moshi, na tarde do último sábado 1 de fevereiro. No domingo, o governo da Tanzânia além de confirmar as mortes, emitiu uma declaração de condolências em nome do presidente John Magufuli.

O evento chamado “Levante-se e brilhe” reuniu milhares de pessoas que foram ouvir o pregador Boniface Mwamposa, que é o idealizador do culto.

No momento em que Mwamposa, que se considera “profeta”, derramou um óleo de unção com supostas propriedades sagradas e curativas, a multidão correu ao mesmo tempo para junto do pregador, pisoteando as demais pessoas.


Comentários

MAIS LIDAS

Maduro mandar queimar lojas da Maçonaria sob acusação de organização criminosa

Mamata | General corta contratinho de R$ 30 milhões para manter jornalistas no exterior

VÍDEO. Tratores com jatos lançam fezes sobre Parlamento francês