Major Olimpio ataca publicamente Bolsonaro

Imagem
O senador Major Olímpio deu entrevista à Rádio Jovem Pan na tarde deste domingo (08) durante os protestos convocados pelos movimentos sociais. Olímpio está no PSL e não quis acompanhar o presidente Bolsonaro para o novo partido Aliança Pelo Brasil.
Olímpio ainda se diz amigo de Bolsonaro porém destacou que o presidente foi insuflado pelos filhos e advogados para embarcar no que classificou como "aventura política" e rotulou a sigla como "Titanic político".




Confira a fala do senador do PSL-SP.



Na minha visão ele(@jairbolsonaro) cometeu um grande equívoco, saiu de um partido 100% dele pra uma aventura chamada aliança, será um Titanic político"@majorolimpio totalmente fora da realidade, não percebeu que quem está no Titanic político é ele.
pic.twitter.com/XXoeXmyXL7 — Sakura 🇧🇷🇯🇵 (@JapaDoBonor0) December 8, 2019

Jair Bolsonaro vai segurar a bronca do ministro

O porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, afirmou nesta segunda-feira, 1º, que o presidente Jair Bolsonaro vai aguardar a conclusão das investigações da Polícia Federal para decidir se mantém no cargo ou exonera o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio - a PF indiciou o assessor do ministro no caso de candidaturas laranjas.

Rêgo Barros informou ainda que a demissão do ministro "não é um tema que está vicejando, perpassando pelo presidente neste momento" e que o Bolsonaro "não teve, em nenhum momento, a suposição de tirá-lo do cargo de ministro".

Segundo o porta-voz, Bolsonaro demonstrou reconhecimento ao trabalho que vem sendo realizado pelo ministro.

"O presidente mantém sua decisão de aguardar a finalização da apuração da Polícia Federal para então, a partir dessa finalização, tomar as decisões que são naturais a quem lidera o poder Executivo", reforçou Rêgo Barros. De acordo com ele, havia a previsão de um encontro, hoje, entre Bolsonaro e o ministro. A reunião deve ser realizada amanhã ou na quinta-feira.

Na semana passada, a Polícia Federal prendeu Mateus Von Rondon, assessor especial e dois ex-auxiliares do ministro do Turismo, na segunda fase da Operação Sufrágio Ostentação - que investiga supostas candidaturas laranjas do PSL em Minas nas eleições 2018. Nesta segunda, a Justiça Eleitoral em Minas mandou soltar von Rondon, e os dois ex-auxiliares do ministro - Roberto Soares e Haissander Souza, ambos coordenadores de campanha de Álvaro Antônio para Câmara em 2018.

Von Rondon, Soares e Souza, foram indiciados pela PF por falsidade ideológica, uso indevido de verba e associação criminosa, com pena máxima de nove anos e três meses de prisão, no total.

A PF também indiciou as quatro mulheres apontadas como laranjas do PSL. Em depoimentos ao longo das investigações, todas permaneceram em silêncio. O indiciamento foi por falsidade ideológica, aplicação irregular de verba e associação criminosa. O inquérito será enviado para o Ministério Público, para apresentação, ou não, de denúncia.


Comentários

MAIS LIDAS

Aberração | Filhas solteiras de senadores ganham 33 mil reais. "Isso vai acabar", diz Bolsonaro

Goooooool! | Governo decide acabar com auxílio-reclusão

Deputados querem "gorjeta' de R$ 10 milhões pra votarem a Reforma da Previdência