Coronavírus no Brasil: Ministério da Saúde nega. Quem acredita no Ministério?

Imagem
Agentes de Saúde, do estado de Minas Gerais, acionaram o sinal de alerta sobre a suspeita de infecção pela bactéria do #coronavírus em uma paciente, que deu entrada com sintomas semelhantes ao que está sendo apresentado na China.
O caso está sendo acompanhando e investigado pela SES (Secretaria Estadual de Saúde), e tratado como 2019-nCoV. A secretaria informou que mais detalhes serão repassados ainda nesta quarta-feira (22).
A idade e a identidade do paciente ainda não foram confirmados. As autoridades chinesas identificaram o novo coronavírus, que resultou em mais de 400 casos confirmados no país asiático. O primeiro caso nos Estados Unidos foi anunciado em 21 de janeiro de 2020.
O Ministério da Saúde nega
O Ministério da Saúde contrapôs a informação prestada pela SES-MG onde afirma que não há comprovação que seja o mesmo vírus. A questão é: quem acredita na informação do governo?
O ano de 2019 foi marcado por desinformação promovida principalmente pelo presidente Jair Bolsonaro e diver…

Política e Poder | Dilma demitiu Roger Agnelli da Vale e depois ele morreu em "acidente" de avião

Todos devem saber que a Vale foi privatizada em 1997 no governo FHC, mas poucos sabem que o governo indiretamente controla a empresa através de fundos de pensões e acordos com o Bradesco.

No dia 14 de Março de 2011, após enviar uma carta a Dilma alertando sobre a corrupção na cidade de Parauapebas, que era administrada por um prefeito petista, Agnelli, então diretor da Vale, havia sido demitido por influência de Dilma. A presidente usou as participações do governo nas ações da Vale e influenciou o Bradesco para votar contra Agnelli.

O ex-executivo da Vale era um homem excelente nos negócios, havia colocado a Vale no terceiro lugar do ranking das maiores mineradoras do mundo e gerado mais de 100 mil empregos durante sua gestão. Angelli fez a Vale ultrapassar a Petrobrás em valor de mercado em 2010, algo inédito para o mercado, uma empresa que vende aço valer mais que uma petrolífera. Mas esse excesso de competência não agradou a presidente, que alegou que o executivo havia sido demitido por conta dos cortes de gastos da Vale, decisão tomada pelo executivo para compensar a crise financeira (a carta de Agnelli denunciando a corrupção do PT foi só uma “coincidência”).

Em uma entrevista no Roda Viva em 2011, o ex-prefeito de São Paulo Kassab havia comentado que a demissão de Agnelli da Vale foi um erro grave do governo petista e o tempo iria dizer quem estava certo. E os anos se passaram e a Vale só perdeu valor em mercado desde então. Em 2015, sem Agnelli, a empresa assistiu a sua maior tragédia natural da história, quando uma das barragens da Samarco, subsidiária da Vale, rompeu e fez um enorme estrago na região de Mariana.

Agora, mais uma vez o nome do executivo aparece na mídia, e dessa vez foi para noticiar a infeliz notícia de sua morte. Nesse sábado, dia 19, o executivo sofreu um acidente de avião na zona norte de São Paulo e faleceu. E misteriosamente a aeronave não tinha caixa-preta e, sendo assim, não será possível investigar precisamente as causas do acidente.

Muitos já dizem que a morte de Agnelli é um novo caso de “Celso Daniel” por ele já ter denunciado escândalo de corrupção do PT no passado. Mas independentemente das coincidências que levam a essas teorias conspiratórias, a intervenção do estado na Vale foi um erro. E esse erro talvez não evitaria a morte do executivo, que morreu por um acidente, mas no caso de Mariana, poderia ter sido diferente se Agnelli não tivesse sido demitido por Dilma.



Comentários

MAIS LIDAS

Deputados querem "gorjeta' de R$ 10 milhões pra votarem a Reforma da Previdência

Maduro mandar queimar lojas da Maçonaria sob acusação de organização criminosa

Arábia Saudita e Rússia ameaçam romper relações com Brasil. Agora ficou bonito!